Se acredita que consegue, você está certo. Se acredita que não consegue, você também está. Anônimo

Whey Protein

Prill Brito
O famoso Whey Protein! Conhecido pela sua facilidade, praticidade e alto valor protéico.

 

Que tal falarmos sobre um assunto que já está mais do que disseminado na rotina de malhadores e malhadoras: o famoso Whey Protein! Conhecido pela sua facilidade, praticidade e alto valor protéico, esse suplemento alimentar realmente é um coadjuvante importante pra quem procura manter uma dieta rica em proteínas de boa qualidade. Mas, é claro, com a alimentação em dia em relação ao equilíbrio de nutrientes. Sendo assim, não adianta simplesmente ter a Whey como carro-chefe na rotina alimentar e não aderir a um plano alimentar bem controlado durante o dia. Vamos então conhecer um pouco mais sobre esse suplemento tão popular entre praticantes de atividade física, principalmente os freqüentadores de academias mas que ainda é tópico de muitas dúvidas e mitos.
 
O termo whey protein (proteína do soro) refere-se às proteínas isoladas do soro de leite bovino. Essas proteínas são extraídas da porção aquosa do leite gerada durante o processo de fabricação de queijos e coalhadas. A constituição das proteínas do soro pode variar em tamanho, peso molecular e função, fornecendo a esse grupo protéico características específicas. As proteínas do soro do leite apresentam quase todos os aminoácidos essenciais e apresentam elevadas concentrações dos aminoácidos triptofano, cisteína, leucina, isoleucina e lisina. Alguns pesquisadores classificaram essas proteínas como proteínas de metabolização rápida fast metabolizing proteins, muito adequadas para situações de estresse metabólico em que a reposição de proteínas no organismo se torna emergencial, como exemplo o estresse induzido pelo exercício físico como a musculação.
A Whey protein apresenta fácil digestão, rápida absorção, excelente perfil de aminoácidos (caracterizando-a como proteína de alto valor biológico). Quanto maior for o valor biológico da proteína, mais aminoácidos e nitrogênio seu corpo irá reter, sendo assim, um aumento de aminoácidos nas concentrações sanguíneas e no músculo aumenta a velocidade da síntese protéica, o que resulta em um maior ganho de massa muscular quando associado ao estímulo muscular. Os aminoácidos que compõem a Whey Protein são principalmente os de cadeia ramificada (BCAA´s) e também são compostos por peptídeos bioativos como: a Beta-lactoglobulina, a Alfa-lactoalbumina, a Albumina do soro bovino, as Imunoglobulinas e os Glicomacropeptídeos.
 
Existem diversos métodos para a produção de Whey Protein disponíveis no mercado, que se diferenciam quanto a processo de extração; digestibilidade e velocidade de absorção; teores de proteínas, gorduras, carboidratos, lactose e presença de peptídios bioativos. De acordo com a complexidade de cada processo, essa será refletida diretamente nos respectivos valores dos produtos no mercado. Basicamente, são comercializados, três diferentes tipos  de Whey Protein, denominadas “isoladas”, “concentradas”, e “hidrolisadas”. A Whey Protein Concentrada passa por um processo onde ocorre a remoção dos constituintes não protéicos, ou seja, há uma concentração dos constituintes protéicos. Seu conteúdo protéico varia entre 25% e   89%, sendo que à medida que diminui o teor de lactose, aumenta o teor de proteínas. A Whey Protein Isolada contém entre 90 e 95% de proteínas. Pode ser isenta ou apresentar baixo teor de gordura e lactose. Já a Whey Protein Hidrolisada é obtida a partir da Whey Protein Concentrada ou Isolada, nas quais suas moléculas são quebradas em peptídeos de pequeno tamanho (di e tripeptídeos) e são absorvidos numa velocidade maior, tanto em relação às proteínas como aos aminoácidos livres, ficando mais facilmente digeríveis. Ela também possui baixos teores de gordura e lactose.
 
Estudos recentes evidenciam propriedades muito favoráveis das proteínas do soro do leite à saúde no sentido de diminuir o risco de doenças infecciosas e também as consideradas crônicas e/ou degenerativas. Pesquisas mostram que a Whey Protein tem a capacidade de promover o fortalecimento da imunidade, pois é rica em Cisteína, a qual aumenta a produção de Glutationa que é a peça central do sistema imune e de defesa antioxidante do organismo. A Glutationa inibe a ação de agentes oxidantes melhorando o rendimento durante a atividade física além de manter a integridade muscular do praticante, sua saúde e prevenir doenças. Além disso, se destaca como propriedades da Whey a provável proteção contra microrganismos patogênicos e contra alguns tipos de vírus como o vírus da hepatite C, a proteção contra vários tipos de câncer, particularmente de cólon, a proteção da mucosa gástrica contra agressão por agentes ulcerogênicos, e evidenciaram-se várias linhas de ação protetora das proteínas de soro contra agentes condicionadores de problemas cardiovasculares.
 
No entanto, esse tipo de suplemento deve ser utilizado somente quando as recomendações não são alcançadas por fontes alimentares e sempre por recomendação de nutricionista.
Dessa forma, apesar de as evidências sobre a suplementação com Whey Protein quando comparada ou associada aos demais tipos de suplementos serem animadoras, pesquisas adicionais são necessárias a fim de fornecer maiores esclarecimentos sobre sua efetividade, dosagens, diferentes modalidades e intensidades de exercícios e suas devidas recomendações.
 
A suplementação de nutrientes e compostos ativos, pode ser uma importante ferramenta para melhorar a performance e saúde de atletas e desportistas, porém vale lembrar que é imprescindível a orientação nutricional de atletas e praticantes de atividade física no sentido de que a suplementação nutricional não substitui uma alimentação habitual saudável.   
Larissa Cerqueira
Nutricionista CRN 1-5674